MODA: Empresa investe para amenizar impacto ambiental causado pelo uso de agrotóxicos

Iniciativas da MUMO visam incentivar o consumo consciente da sociedade.
Fotos: DIVULGAÇÃO / MUMO

MUMO: marca de moda que investe em consumo consciente.

Uma polêmica sobre o uso dos agrotóxicos no país surgiu após o Projeto de Lei (PL) 6299 2002 ser aprovado no Congresso Nacional. A proposta nomeada como Lei do Alimento Mais Seguro modifica o monitoramento dos defensivos agrícolas, tirando do poder do Ibama e Anvisa, e colocando na mão do Ministério da Agricultura.

A regularização é criticada devido o grande prejuízo que ela pode vir a trazer para a saúde humana e o meio ambiente - por exemplo, com o aumento do uso dos inseticidas. No momento, o PL tramita em prioridade para ser pautado Plenário da Câmara. Se aprovado, de acordo com as críticas aos danos, um dos segmentos mais atingidos será o mercado da moda.

Moda: impacto visual e ambiental

A moda não afeta só o jeito de vestir e calçar da sociedade, mas também o comportamento, economia e até mesmo o meio ambiente. A mesma indústria que fatura cerca de R$ 200 bilhões no Brasil, também é, de acordo com a BBC, a segunda maior poluente do mundo, perdendo apenas para indústria do petróleo.

Segundo com o Sindag e Abrasco, quando o assunto é agrotóxico, por ano o algodão - que é uma das principais matérias primas da moda - gasta 28 litros por hectares. Em torno de 24% de todos os pesticidas do mundo. Com isso, o cultivo e manipulação da fibra acaba atuando também na poluição da água, infertilidade do solo e ainda na saúde das pessoas - principalmente nas vidas de famílias que moram próximas às plantações ou trabalham diretamente com o algodão.

Na contramão das oportunidades de grandes lucros que a aprovação da PL pode trazer para o mercado, a MUMO busca soluções para amenizar os prejuízos que podem ser deixados, investindo em matéria prima sustentável e incentivando o consumo consciente. "Temos a missão de conscientizar as pessoas, sobre o impacto da indústria da moda e do poder das pequenas escolhas. E, nisso motivá-las a consumir de forma conscientemente, deixando um legado positivo para sociedade", comenda Rodrigo Tozzi, CEO da MUMO.

Para ajudar na redução dos impactos ambientais a marca brasileira cria peças sustentáveis, usando o algodão orgânico. Matéria prima 100% livre do uso de agrotóxicos e que, de acordo com o estudo Life Cycle Assessment, é 46% menos agressivo ao aquecimento global.

Outro destaque está no investimento em algodão com selo BCI (plantado sob rígido controle de produtos químicos, tratamento dos efluentes, mão de obra regulamentada)

Idealizada por Rodrigo Tozzi (CEO), Luana Goldstein (Diretora Criativa) e Renata (CFO), a MUMO também apoia causas ambientais. Hoje para cada peça de roupa vendida, R$ 14,00 são doados para a Associação Mata Ciliar, que cuida de margens devastadas de rios e nascentes, sendo revertido para o plantio e manutenção de novas árvores.

Sobre a MUMO
A MUMO é a startup de moda mais cool e responsável do mercado, tendo a missão de trazer, a cada ano, uma causa socioambiental e colocando-a no centro de tudo o que faz. Nascida em agosto de 2017, a marca se propõe a contribuir na diminuição do impacto da indústria da moda em toda sua cadeia produtiva, desde materiais, mão de obra justa, operações e doações de parte do faturamento para ONG. Além do e-commerce próprio, as peças da MUMO estão à venda na Dafiti, Zatini e, em breve, estarão em outros players de alcance mundial.


Acompanhe o trabalho da Mumo

DESTAQUES DA SEMANA:

MODA: PICCADILLY apresenta sua coleção Primavera/Verão 2018/2019

MODA: Com sorteio de viagem e um ano de compras, lojistas do Norte Sul Plaza apostam em descontos para aumento de vendas no Dia dos Pais

MODA: Dia dos Pais, Loja virtual oferece óculos com até 60% de desconto

ENTRETENIMENTO: A arte para o bem sem fronteiras

GASTRONOMIA: Fernando Oliveira é o campeão da Seletiva Brasil Mondial Du Pain Puratos