Última por @marcosgomesbr

ENTRETENIMENTO: O que você precisa saber para se dar bem nos aplicativos de paquera

Imagem
Encontrar uma companhia em sites e aplicativos de namoro se tornou algo comum. Se antes o flerte era nas baladas, bares ou nas ruas, esses cenários foram substituídos pela paquera online. Mas existem alguns fatores que podem sabotar o sucesso de quem usa esses softwares. O site de relacionamento Universo Sugar revelou os principais deslizes dentro do mundo da paquera virtual, de acordo com as críticas dos usuários da plataforma.Biografia vaziaEngana-se quem pensa que deixando de escrever algo sobre si, fará de você uma pessoa misteriosa ou indiferente. Ao contrário, isso pode ser um gatilho para que seu perfil deixe de ser interessante para quem está "surfando" nos sites de relacionamento. É preciso apresentar o mínimo de informações sobre você, que não sejam limitadas em fotos. As pessoas se questionam, sobre o que você está buscando. Se algo sério ou casual. Tudo isso é considerado na hora da paquera online. O ideal é escrever uma apresentação sucinta, de 20 a 40 palavras …

ENTRETENIMENTO: Sesc pinheiros recebe "Chiharu Shiota - Em busca do destino", primeira exposição da artista japonesa na América Latina

Com curadoria de Tereza de Arruda, mostra desenvolvida em colaboração com o público brasileiro exibe instalações – construídas como grandes teias de cartas, malas e sapatos – que evocam memórias e trajetórias. Fotos: Divulgação

Sesc Pinheiros recebe, de setembro de 2015 a janeiro de 2016, a mostra “Chiharu Shiota – Em busca do destino”, primeira exibição na América Latina dos trabalhos de Chiharu Shiota, artista japonesa dedicada a instalações de grandes proporções formadas por extensas tramas de fios e objetos cotidianos usados – característica que levou o jornal britânico The Guardian a defini-la como “uma mulher-aranha que escala em torno dos entrelaçamentos do inconsciente humano”.

Com curadoria da historiadora de arte Tereza de Arruda, a mostra – que ocorre simultaneamente à participação da artista na 56ª Bienal de Veneza, na qual foi escolhida para representar o Japão – abriga três obras, “Além dos continentes”“Acumulação” e “Cartas de agradecimentos”, que traçam um percurso expositivo continuado em diferentes espaços da unidade e discutem questões como memórias e trajetórias. Nesta experiência, Chiharu, como costuma fazer em seus projetos mundo afora, convidou pessoas de todas as idades a participarem da construção de seus trabalhos por meio da doação de sapatos e cartas manuscritas com mensagens de agradecimento, somados como matérias-primas da exposição a um acervo de malas garimpadas pela artista na Alemanha, onde vive desde 1996.

Como resultado, ao vivenciar as instalações, o visitante tem diante de si, inicialmente, o percurso da própria artista: estão sintetizadas nestas obras suas primeiras iniciativas artísticas, ainda no Japão, a mudança para Berlim e o consequente amadurecimento de sua atuação no contexto europeu. Na sequência, o visitante é convidado a tomar assento num exercício de inflexão poética, provocado pelo contraste entre a singeleza dos recursos escolhidos por Chiharu e o potencial narrativo do imaginário arquitetado a partir delas – poucos objetos expõem e escondem, revelam e preservam ou são, ao mesmo tempo, tão públicos e íntimos quanto cartas, malas e sapatos.

Instalação com sapatos desenvolvida em 2008 na Alemanha – Credito: Divulgação

1ª instalação: “Além dos continentes”
Localizada na fachada do Sesc Pinheiros, de onde pode ser vista por qualquer pessoa, dentro ou fora da unidade, a instalação “Além dos continentes” representa uma introdução à obra de Chiharu Shiota. É formada por 300 pares de sapatos doados pelo público. Suspensos em fios de lã vermelhos e alinhados na mesma direção, representam metonímias de trajetórias de vida: calçados gastos pelo uso carregam as marcas do tempo, tornando-se testemunhas de experiências individuais, neste contexto expandidas para o âmbito coletivo.

Detalhe da instalação com malas exposta em 2014, na Coréia do Sul - Credito: Sunhi Mang

2ª instalação: “Acumulação – Em busca do destino”
A segunda instalação, localizada no piso térreo do Sesc Pinheiros, apresenta uma inusitada nuvem de malas que flutuam sobre escadas rolantes e se movimentam, acionadas por um sensor, durante a passagem do público, num fluxo contínuo somado ao trânsito natural de subida e descida das escadas. O efeito visual resultante sugere a composição de universo transitório, temporário, de passagem – características dos não lugares, ou dos lugares que resistem à permanência. As 200 malas foram adquiridas pela artista em Berlim, em feiras de produtos usados e antiguidades.

Instalação com cartas desenvolvida na Espanha em 2014 – Credito: Wanna Filmmakers

3ª instalação: “Cartas de agradecimentos”
A instalação nasceu como um impulso de gratidão da artista por pessoas e contextos pessoais variados, numa tentativa de estimular as pessoas a transporem em palavras sentimentos que, normalmente, são difíceis de verbalizar.
Proposta de modo a transmitir ao visitante a sensação de acolhimento, a obra ocupa todo o espaço expositivo (2º andar) do Sesc Pinheiros, surpreendendo-o logo na entrada devido à complexidade da trama construída com as 6 mil cartas coletadas junto ao público brasileiro. As únicas exigências para a participação foram que as cartas fossem manuscritas e expressassem mensagens de agradecimento, independentemente do motivo. Durante a exposição, as cartas poderão ser lidas pelo público.

Mais sobre o processo de coleta
Desenvolvidas ao longo de dois meses por uma equipe especializada de educadores, as ações de coleta de cartas de agradecimentos e sapatos para a exposição “Chiharu Shiota – Em busca do destino” envolveram oficinas e performances realizadas permanentemente no Sesc Pinheiros, além de visitas a feiras livres, escolas, estações de metrô e demais espaços da cidade de São Paulo, nas quais foram propostas intervenções e brincadeiras para a sensibilização do público. O recebimento das cartas também foi possível via Correios e por meios digitais, com o envio de uma foto da carta manuscrita por e-mail e pelas redes sociais, acompanhada da hashtag #embuscadodestino.

Mais sobre Chiharu Shiota
Nascida em 1972 Osaka, no Japão, Chiharu Shiota vive e trabalha desde 1996 em Berlim, onde estudou artes plásticas com Rebecca Horn e Marina Abramovic, que motivaram o interesse pela performance em suas primeiras experiências artísticas. Mais tarde, Chiharu decidiu desenvolver também as instalações de grandes dimensões, caminho este que a inseriu definitivamente no cenário artístico internacional: em experiências mundo afora, ao suspender em cordões, organizar ou empilhar objetos usados como cartas, chaves, camas, malas e sapatos, a artista se afeiçoou a construir verdadeiras teias sustentadas pelo passado e pelo presente, amadurecendo um estilo em que a carga narrativa de suas obras conjuga experiências íntimas compartilhadas e comungadas com o público.
Em 2007 recebeu o prêmio “Art Encouragement”, ofertado pelo Ministério da Educação japonês por sua exibição “From in Silence”. Realizou mostras individuais no Smithsonian Institution Arthur M. Sackler Gallery, Washington, D.C. (2014); na Mattress Factory, Pittsburgh (2013); Museum of Art, Kochi (2013); Marugame Genichiro-Inokuma Museum of Contemporary Art, Kagawa (2012); Casa Asia, Bacelona (2012); National Museum of Art, Osaka, Japão (2008), entre outras. Participou de diversas exposições internacionais como Bienal de Arte Contemporânea de Kyiv, Ucrânia; Art Setouchi, Trienal de Yokohama e Trienal de Aichi, Japão; Bienal de Arte Contemporânea de Moscou, Rússia; Bienal Internacional de Sevilla, Espanha e Bienal de Gwangiu, Coréia do Sul; Bienal de Arte de Veneza, Itália. Foi cenógrafa de diversas peças de teatro, ópera e dança. Site oficial: www.chiharu-shiota.com.

Serviço

“Chiharu Shiota – Em busca do destino”
Sinopse: A primeira exposição da artista japonesa Chiharu Shiota na América Latina é formada por três grandes instalações criadas com emaranhados de fios de lã que envolvem objetos e carregam memórias, trajetórias e traços da vida cotidiana – como sapatos, malas e cartas. As obras apresentadas foram criadas com a participação do público brasileiro ao enviarem suas cartas de agradecimento e sapatos usados, completando a cartografia afetiva da artista.
Curadoria: Tereza de Arruda
Data: 12/9 a 10/1
Horários: Terça a sexta, 10h às 21h30; sábados, 10h às 20h30; domingos e feriados, 10h às 18h30
Locais: Fachada, piso térreo e espaço expositivo (2º andar) do Sesc Pinheiros
Livre. Grátis.

SESC PINHEIROS: Rua Paes Leme, 195 - Pinheiros, São Paulo, SP

Bilheteria: Terça a sábado das 10h às 21h. Domingos e feriados das 10h às 18h.
Tel.: 11 3095-9400.
Estacionamento com manobrista: Terça a sexta, das 7h às 22h; Sábado, domingo, feriado, das 10h às 19h. Taxas / veículos e motos: Matriculados no Sesc: R$ 6,00 nas três primeiras horas e R$ 1,00 a cada hora adicional. Não matriculados no Sesc: R$ 8,00 nas três primeiras horas e R$2,00 a cada hora adicional. Para atividades no Teatro Paulo Autran, preço único: R$ 6,00.









DESTAQUES DA SEMANA:

ENTRETENIMENTO: Ganhar seguidores e curtidas no Instagram

MODA: PICCADILLY apresenta sua coleção Primavera/Verão 2018/2019

Sombrancelhas feitas viram moda no exército dos EUA

MODA: Dia dos Pais, Loja virtual oferece óculos com até 60% de desconto

GASTRONOMIA: Leão repete pioneirismo e lança Matte Leão Suave