Translate

DESTAQUE

TURISMO: Costa Pacifica retorna à América do Sul na temporada 2019/2020 para embarques do Rio de Janeiro

Imagem
Roteiros visitam as capitais Buenos Aires e Montevidéu e os litorais de São Paulo e Rio de Janeiro. Hóspede também tem a possibilidade de embarcar em Buenos Aires ou Montevidéu. Com saída em 16 de fevereiro de 2020, cruzeiro de Carnaval tem diversão para todas as idades
Após dois verões seguidos no Caribe, o navio Costa Pacifica, da Costa Cruzeiros, retorna à América do Sul para a temporada 2019/2020. Com embarques do Rio de Janeiro, o Costa Pacifica realiza sete viagens, com oito noites de duração cada, rumo à região do Prata.
Entre dezembro de 2019 e março de 2020, o hóspede brasileiro tem a oportunidade de conhecer as cidades de Buenos Aires e Montevidéu de uma única vez. O itinerário do navio também inclui escalas em Búzios, Ilha Grande e Ilhabela, consideradas as mais belas cidades dos litorais paulista e fluminense.
O primeiro cruzeiro do Costa Pacifica parte no dia 31 de dezembro para a celebração da virada de ano. O roteiro de sete noites proporciona ao viajante a experiência d…

MARCAS e ESTILISTAS: Balenciaga, o arquiteto da alta-costura.

 Nascido em uma pequena localidade no País Basco, em uma família humilde e muito católica, Cristóbal Balenciaga era filho de um pescador e de uma costureira, com quem passava a maior parte do tempo enquanto ela trabalhava. Aos doze anos de idade, ele começou a trabalhar como aprendiz de alfaiate. Quando adolescente, a marquesa de Casa Torres tornou-se sua cliente e patrona. Ela mandou-o a Madri, onde recebeu treinamento profissional.

 Cristóbal Balenciaga nasceu em Espanha em 1895. Em 1919 abriu a sua primeira casa de costura em San Sebastian (Espanha). Por motivo da Guerra Civil Espanhola mudou-se para Paris (França)e estabeleceu ali a sua casa em 1937. Tornou-se um dos mais representativos designers de moda do século XX, sendo o responsável por peças de vestuário que se tornaram a base do guarda-roupa feminino contemporâneo, tais como o vestido baby doll, o vestido túnica e o vestido saco. O seu estilo de linhas depuradas, novas formas e focado nos materiais, tal como a precisão do corte e o virtuosismo das técnicas de costura fizeram dele um dos mais respeitados e influentes costureiros, admirado por clientes, pela imprensa mundial e pelos seus colegas de profissão.

 Sua casa se expandiu ao originar filiais em Madri e Barcelona. A família real espanhola e a aristocracia usavam suas roupas, mas quando a Guerra Civil Espanhola (1936-1939) explodiu, Balenciaga foi obrigado a fechar suas lojas e partir para Paris. Lá abriu uma loja na Avenue George V em agosto de 1937.

 Dez anos antes do "New Look" de Dior, que viria revolucionar a moda da época, as criações de Balenciaga começaram a atrair as damas da sociedade e atrizes famosas para sua maison, que ficava no número 10 da avenida George 5º, em Paris. A experiência adquirida em alfaiataria permitia que o espanhol não só desenhasse seus modelos, mas também os cortasse, armasse e costurasse, o que não é comum aos estilistas, que em geral apenas desenham suas criações.

 A perfeição nas proporções conseguida por Balenciaga em seus modelos aproximava sua arte da arquitetura. Considerado o grande mestre da alta-costura, seu estilo elegante e severo, às vezes dramático, tornaram inconfundíveis suas criações.

 Em 1939, lançou o corte de manga com a aplicação de um recorte quadrado e uma linha de ombros caídos, com cintura estreita e quadris arredondados. No ano seguinte, apresentou o seu primeiro vestidinho preto, com busto ajustado e quadris marcados por drapeados, além de abrigos impermeáveis em tecidos sintéticos.

 Em 1942, as jaquetas largas e as saias evasês compunham a chamada "linha tonneau". O primeiro paletó-saco e os redingotes com mangas-quimono surgiram em 1946. Suas coleções de 1947 e 1948 tiveram inspiração espanhola, com elegantes vestidos e boleros de toureador para a noite.

 Seu primeiro perfume, "Fruites des Heures" foi criado em 1948. Em 1949, fez mantôs muito largos e, em 1950, vaporosos e retos, além do vestido-balão.

 Balenciaga viveu o auge de sua fama e criação durante os anos 50, começando em 1951, mudando a silhueta feminina ao eliminar a cintura e aumentar os ombros, num talhe muito acentuado.

 Foi somente a partir do período pós-guerra que Balenciaga se tornou um estilista original e reconhecido. Em 1951, ele transformou totalmente a silhueta, alargou os ombros e removeu a cintura de suas criações. Em 1955, desenhou o vestido de túnica, que, mais tarde, virou o vestido chemise de 1957. Em 1959, seu trabalho tornou-se um império, com vestidos de cintura alta e casacos cortados como quimonos. Tais criações são consideradas obras-primas da alta costura das décadas de 1950 e 1960.

 Balenciaga também deu aulas de moda, inspirando outros estilistas como Oscar de la Renta, André Courrèges, Emanuel Ungaro e Hubert de Givenchy.

 Em 1955, criou o vestido-túnica e, em 1956, subiu as barras dos vestidos e casacos na frente, deixando-as mais compridas atrás, além do primeiro vestido-saco. Em 1957, apresentou o vestido-camisa. A linha "Império" foi criada em 1959 e veio com a cintura alta para os vestidos e os mantôs em forma de quimonos.

 Durante os anos 60, Balenciaga criou casacos soltos, amplos, com mangas-morcego e, em 1965, apresentou os primeiros impermeáveis transparentes em material plástico. Sua última coleção foi lançada na primavera de 1968 - ano em que se aposentou e fechou sua maison - e mostrou jaquetas largas, saias mais curtas, vestidos-tubo e muitas cores.


 Em 1968, Balenciaga fechou sua casa de moda ao perceber o advento do Prêt-à-porter, iniciado pelos franceses. Faleceu pouco tempo depois, aos setenta e sete anos de idade.

 Balenciaga era considerado purista e classicista. Seu estilo ainda é lembrado pelos grandes botões e pela grande gola afastada do pescoço.

 Morreu, aos 77 anos, no dia 24 de março de 1972, em Javea, na costa espanhola do Mediterrâneo.

 Hoje, a casa de moda Balenciaga está sob a direção de Nicolas Ghesquière e pertence ao Grupo Gucci desde 2001. Uma casa de moda criada pelo estilista espanhol Cristóbal Balenciaga, considerado o arquiteto da alta costura pelo seu amplo conhecimento na confecção dos trajes e utilização de linhas puras contando ainda com o perfeccionismo, que era sua marca.

 O purista e classicista Balenciaga era um homem discreto, exigente e de uma elegância refinada. Era um dos poucos estilistas que sabia cortar e costurar com perfeição.

 Chanel uma vez disse que "só Balenciaga é um verdadeiro costureiro. Só ele é capaz de cortar bem um tecido, de montá-lo e costurá-lo à mão."

 "Não acrescente detalhes inúteis a um vestido. Não coloque uma flor simplesmente porque você tem vontade de fazê-lo, mas para indicar o centro da cintura, o ponto final de um desenho." Balenciaga

 Considerado o grande mestre da alta-costura, o espanhol Cristóbal Balenciaga era uma espécie de arquiteto da costura. A base de sua arte estava na solidez de suas linhas clássicas. Ele acreditava na continuidade do seu trabalho através da temporalidade da moda.

 O "belo Balenciaga", como também era chamado, criou várias silhuetas para a mulher, brincando com as proporções e as cores, sempre com resultados surpreendentes.

FICHA TÉCNICA

Quem: BALENCIAGA


FUNDADOR: CRISTÓBAL BALENCIAGA (1895-1972)


QUANDO: 1919


ONDE: SAN SÉBASTIAN, ESPANHA


DESIGNER ATUAL: NICOLAS GHESQUIÈRE

HISTÓRIA: CRISTÓBAL BALENCIAGA NASCEU EM 1895 NA REGIÃO BASCA ESPANHOLA. DESCOBERTO AOS 12 ANOS, DESENHOU UM VESTIDO PARA UMA MARQUESA, E FOI CONVIDADO PARA SER APRENDIZ DE ALFAIATE EM MADRI. AOS 20 E POUCOS, JÁ TINHA SUA CASA DE ALTA-COSTURA. AOS 52, MESMO TENDO CLIENTELA FIEL EM MADRI, MUDA-SE PARA PARIS. LÁ, APRESENTOU SUA PRIMEIRA GRANDE COLEÇÃO, MUITO BEM RECEBIDA. ATRAIU CELEBRIDADES E DAMAS DA SOCIEDADE, QUE CORRIAM PARA O Nº 10 DA AVENIDA GEORGE V EM BUSCA DO CORTE E ACABAMENTO PERFEITOS DO ESTILISTA. HABILIDOSO, DESENHAVA, CORTAVA E COSTURAVA COM PERFEIÇÃO AS PEÇAS COM O AR DRAMÁTICO QUE DEFINIU SEU ESTILO. CRIOU MODELOS DE FESTA INCRÍVEIS, ABRIGOS DE CHUVA IMPERMEÁVEIS E UMA VARIEDADE INFINITA DE VESTIDOS, BOLEROS, E OUTRAS PEÇAS. O AUGE VEIO NOS ANOS 50 E NO FINAL DA DÉCADA LANÇA SUA VERSÃO DO TERNINHO FEMININO, COM PALETÓ CURTO E SAIA DE CINTURA ALTA. ENCERROU A CARREIRA EM 1968, APÓS CRIAR UNIFORMES PARA A EMPRESA AÉREA AIR FRANCE E LANÇAR UMA ÚLTIMA COLEÇÃO. APOSENTA-SE E VOLTA À ESPANHA, DEPOIS DE MAIS DE 30 ANOS DE SUCESSO E INOVAÇÃO NA MODA. UMA CLIENTE, A CONDESSA MONA BISMARK, CHEGOU A SE TRANCAR EM CASA POR TRÊS DIAS DE TANTO DESGOSTO AO SABER DA APOSENTADORIA DO ARQUITETO DA MODA. BALENCIAGA MORRE EM 1972 E SEU NOME SÓ REAPARECE EM 1978, NA AQUISIÇÃO DA MARCA POR UM GRUPO FINANCEIRO. EM 1995, O ESTILISTA NICOLAS GHESQUIÈRE CHEGOU PARA CUIDAR DOS ACESSÓRIOS DA MARCA E SEU TALENTO O LEVOU À DIREÇÃO DA CRIAÇÃO, DOIS ANOS DEPOIS. EM 2001, GHESQUIÈRE COMPROU A BALENCIAGA EM PARCERIA COM O GRUPO GUCCI, E A DIRIGE COM PULSO FIRME, REVIVENDO O PRESTÍGIO E RESPEITO QUE A CASA TEVE EM SEUS ANOS DOURADOS.

Siga-nos no Twitter:

Siga @oresumodamoda no Instagram !

AS MAIS ACESSADAS DA SEMANA:

ENTRETENIMENTO: Ferrari Flutuando no palco, músico Renato Franchi elogia Drake

GASTRONOMIA: Wine Weekend São Paulo Festival 2019 expõe vinhos de vários países

ENTRETENIMENTO: Musa do América Mineiro, Luanna Lodi arrasa em ensaio para o Bella da Semana

ENTRETENIMENTO: Futura delegada de polícia, Raissa de Albuquerque retorna em ensaio picante para Bella da Semana

MODA: Youcom realiza collab especial para o Dia dos Namorados

DECORAÇÃO: OpenBox2 em Interlagos

GASTRONOMIA: Ju Ferraz ensina a preparar um brownie de batata-doce inspirado no Masterchef

GASTRONOMIA: Forno de Minas se apresenta na maior feira do setor de restaurantes dos Estados Unidos

DECORAÇÃO: Ducha LorenQuadra leva cor e estilo para banheiros e salas de banho

GASTRONOMIA: Versátil, veja como utilizar o abacate em suas receitas