Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2010

EM DESTAQUE:

GASTRONOMIA: Três receitas de guloseimas low carb para comer sem culpa

Imagem
Inspire-se com essas receitas da Chef Low Carb Vanda Hering para manter o equilíbrio da sua alimentação saudável substituindo o carboidrato.
Biscoito de amêndoas com castanhas do Pará
Ingredientes:
01 ovo
02 cl de manteiga
40g de eritritol pulverizado
150g de farinha de amêndoas
100g de farinha de castanha do Pará
01 cl de chá de extrato de baunilha

Modo de preparo:
Bater bem a manteiga com os ovos e o eritritol, acrescentar os demais ingredientes e levar a geladeira por 10 minutos.
Cortar os biscoitos com um cortador de biscoitos e levar ao forno pré aquecido por 10-15 minutos a 180 graus.


Bolo de coco com morangos
Ingredientes:
04 ovos
150g de eritritol pulverizado
50g de manteiga
200 ml de leite de coco
300g de coco seco ralado sem açúcar
100g de farinha de coco
01 cl de chá de sobremesa de fermento em pó

modo de preparo:
Bater os ovos com o eritritol e a manteiga, acrescentar o coco seco ralado sem açúcar e a farinha de coco, acrescentar o leite de coco e o fermento por ulti…

UMA NOVA REFLEXÃO: a teoria do ciclo de vida da moda.

Imagem
as
 A moda é hoje instrumento de estudo histórico e sociológico, além de ditar comportamentos e tendências. Ela é concreta, tem caráter, identidade e emoção. Diante dessa realidade, a área tem apresentado um constante crescimento e  profissionalização, assim como um desempenho de expressivos resultados  tanto no Brasil como no exterior. O trinômio tecnologia, criação e tendências é o principal eixo de sustentação da área.
 A moda, há muito tempo, deixou de ser apenas sinônimo de glamour e frivolidade para tornar-se um poderoso fenômeno social e de grande importância econômica. Moda é um fenômeno sociológico e é preciso que exista um consenso para que vire moda.
 Inteligência de Mercado é o processo de garimpar, analisar e aplicar informações,  tanto qualitativas, quanto quantitativas, cujo resultado é o conhecimento sobre a lógica do mercado-alvo e o direcionamento das ações estratégicas a serem adotadas.
A análise do ambiente e a percepção dos cenários ajuda a evitar ameaças, identifica…

PESQUISA DE MODA: a conclusão.

Imagem
 A pesquisa desenvolvida para a publicação de um “Caderno de Inspirações” tem como base principal a consulta em periódicos, web sites, livros, material técnico em monitoramento de eventos (específicos de Moda ou representativos quanto a novos comportamentos sociais). Contudo, o que se observa é que uma grande dificuldade em reunir e, principalmente, analisar tantos dados em prazos satisfatórios à demanda apresentada pela Instituição que a desenvolve.
 Outro ponto crítico é que o conhecimento adquirido durante o período de levantamento de dados por cada pesquisador acabava sendo parcialmente perdido na segunda fase do trabalho (de análise e interpretação das informações). Pois, é difícil apresentar argumentos de defesa dos itens considerados relevantes diante da quantidade e diversidade do material levantado.
 A segunda etapa do trabalho consiste exatamente, em redistribuir e agrupar por afinidades estas informações a partir de critérios estabelecidos, gerando grupos temáticos. Estes gr…

PESQUISA DE MODA: os mapas conceituais ou mentais.

Imagem
Foi devido a um impasse em um grupo desenvolvendo um Caderno de Inspirações em reunir idéias em prol de um objetivo comum que foi adotado o uso dos mapas conceituais. A equipe, composta por seis profissionais atuantes em diferentes áreas da Moda foi designada para reformular a metodologia utilizada no desenvolvimento de pesquisa da publicação. Porém, mesmo com exaustivas reuniões a equipe não conseguia chegar a um consenso sobre a nova metodologia a ser adotada.
 Vendo a dificuldade que a equipe enfrentava em definir uma nova linha de trabalho, a diretoria da empresa convocou profissionais de outros setores a contribuírem no processo de identificação de possíveis alternativas que fossem satisfatórias à instituição e ao grupo. Após algumas tentativas fracassadas, o grupo foi apresentado aos mapas conceituais por um profissional da área de engenharia. Apesar do estranhamento inicial, a ferramenta pareceu interessante e adequada a complexidade do trabalho.
 Os Mapas Conceituais (ou Mentai…

PESQUISA DE MODA: o caderno de inspirações.

Imagem
O Caderno de Inspirações, surgiu no ano de 1985 com o objetivo de se tornar um material de consulta e apoio para os confeccionistas no desenvolvimento de produtos de Moda.
Após diversas modificações, hoje sua apresentação gráfica e o seu conteúdo informativo buscam traçar um perfil do mercado contemporâneo e a identificar quais as influências do mesmo sobre a Moda e suas manifestações. Procura, através de uma re-interpretação, adaptar formas e conceitos ao mercado nacional.
O conteúdo informativo do Caderno tem como proposta estimular o designer de Moda a montar panoramas virtuais com foco em determinado segmento de mercado. Para tanto, o Caderno procura reunir um ferramental teórico e iconográfico de diversas áreas do design, passando pela Arte e até questões sociais.
O Caderno de Inspirações hoje é composto por: textos (de apresentação e temáticos), imagens que formam ambientes conceituais (também chamadas de ambiências), desenhos técnicos de peças do vestuário, desenhos artísticos, di…

PESQUISA DE MODA: o uso de mapas conceituais no processo.

Imagem
Numa análise metodológica dos Cadernos de Inspirações para o Design de Moda nota-se que o uso de mapas conceituais no processo de pesquisa para a identificação de tendências de curto e médio prazo em comportamento de consumo em moda, serve como uma ferramenta metodológica de apoio à construção desses Cadernos de Inspirações.
Atualmente os departamentos de desenvolvimento de produtos nas indústrias ligadas ao setor de Moda preocupam-se em atingir os desejos de seus consumidores e compreender os hábitos, a formação de grupos, os gostos e os movimentos culturais dos quais estes consumidores são adeptos. Porém, ao mesmo tempo, estas empresas do mercado de Moda buscam ampliar mercados, imprimir “identidade” ao produto, diversificar a produção, “personalizar a marca”, entre outros. Todas estas exigências contribuem para que o Departamento de Design de Moda (ou desenvolvimento de produto) seja fortalecido como um setor estratégico na empresa, assim, as informações e diretrizes adotadas em rel…

SISTEMA DA MODA: o projeto final.

Imagem
Um projeto de design de moda destinado ao vestuário apresenta complexos sistemas interconectado e sua articulação conceitual concentra-se, basicamente, na pesquisa temática desenvolvida pelo designer. Porém, antes de iniciar este estágio, toda a cadeia produtiva se organiza para disponibilizar as cores e os tecidos aos designers e à indústria de confecção.
A partir destas informações, o projeto de design de moda direcionado para a confecção do vestuário inicia o plano, a configuração e a estrutura de uma série de peças de roupas que formarão o conjunto de uma coleção. O design de moda utiliza do termo design, que tem sua origem na palavra inglesa, “se refere tanto à idéia de plano, desígnio, intenção quanto à de configuração, arranjo e estrutura”.
As interconexões vão além das ligações operacionais necessárias para a realização de um projeto de design de moda. Elas revelam aspectos objetivos, embora permeados e validados por condições subjetivas naturais em um projeto. Sem o devido conhe…

SISTEMA DA MODA: desenvolvendo etapas do processo.

Imagem
O designer de moda, trabalhando sozinho ou com uma equipe de designers, utiliza as coordenadas do projeto para criar ou desenhar os modelos de sua coleção. As etapas seguintes envolvem o trabalho do profissional responsável pela modelagem. Tendo em mãos a ficha técnica do produto, este profissional prepara os moldes, obedecendo a uma escala de medidas pré-determinadas. Em seguida, com base nas indicações dos tecidos a serem usados, corta as partes da peça de roupa, acompanhada dos aviamentos necessários, para que seja encaminhada à equipe de pilotagem. Neste setor, a peça é confeccionada de acordo com as especificações de detalhes e do maquinário necessário.
A indústria do vestuário emprega diferentes tipos de maquinário profissional. Cada máquina atende a uma necessidade. Seu emprego está diretamente ligado ao tecido e ao produto fabricado. Confecções podem trabalhar com tecidos planos ou de malha que podem ser leves, médios ou pesados. Pontos de costura diferentes como o ziguezague, …

SISTEMA DA MODA: a definição temática.

Imagem
Nem todas as confecções trabalham segundo conceitos preestabelecidos. Isto porque a indústria de confecção do vestuário compreende vários segmentos, desde uniformes escolares, esportivos ou profissionais, que não seguem o sistema de renovação sazonal da moda. O mercado inclui ainda a pronta-entrega, linhas voltadas para moda-praia, surfwear, streetwear, casual e jeanswear, prêt-à-porter e alta moda, este último chamado de alta-costura na França. Lingerie e underwear são segmentos que também participam da cadeia de confecção do vestuário. Cada linha contempla suas particularidades e, dessa maneira, nem sempre os produtos da linha profissional e escolar resultam de um tema de uma coleção.
Uma fonte de especial importância para a definição do tema é a observação da produção cultural e artística. Sem contar referencias históricas que, muitas vezes combinadas com manifestações contemporâneas, geram temas interessantes e fecundos. Segundo estudos (SORGER, Richard e UDALE, Jenny. The Fundamen…

SISTEMA DA MODA: a pesquisa temática.

Imagem
 A identificação de tendências da estação possibilita às equipes de desenvolvimento de coleção direcionar suas pesquisas temáticas. A partir delas seguem as etapas de definição de tecidos, aviamentos e cartela de cores. Alinhadas com essas diretrizes, as formas e os volumes necessários para o desenvolvimento do projeto são estabelecidos. Neste momento, é criada ainda a silhueta que influencia a futura construção dos looks. Entende-se como look (segundo GARCIA, Carol e MIRANDA, Ana Paula. Moda é comunicação. São Paulo: Editora Anhembi Morumbi, 2005.),  o resultado da orquestração de “determinadas categorias vestimentares, associadas a uma postura corporal (...) para constituir uma aparência específica”.
 A idéia ou inspiração, comumente identificada como tema de uma coleção, pode indicar a face que o designer propõe levar ao público. Por trás desta sugestão, o projeto exige pesquisas de caráter conceitual para fundamentar o trabalho. Elas podem surgir, por exemplo, na forma de experimen…

SISTEMA DA MODA: o ciclo de mudanças.

Imagem
 As tendências se renovam no ritmo das novas propostas. Embora sejam inicialmente trabalhadas dentro da indústria de confecções, elas, em pouco tempo, alcançam as ruas, após os lançamentos de suas coleções. Desfiles de grandes marcas e designers sinalizam as novas apostas da moda, que a imprensa se encarrega de divulgar. Quando chegam ao varejo de moda, no interior das indústrias, novas referências são adotadas para que se desenvolva um outro projeto de coleção que será apresentado, em média, seis meses depois.  Apesar de divulgadas como direções de trabalho para o mercado, nem todas as tendências são assimiladas imediatamente. Pode ocorrer também o fato de algumas ondas durarem além do tempo estimado.
1ª Etapa no desenvolvimento de coleção do vestuário: Indústria Química e de FiaçãoIndústria TêxtilLançamento de TendênciasEscritórios de pesquisasCartela de cores Tecidos da estação  “A consciência de uma mudança para membros de uma coletividade é um requisito para a moda. Seus reconhecime…

SISTEMA DA MODA: a pesquisa de tendências.

Imagem
 A primeira etapa ocorre antes do início da estação, com uma antecedência aproximada de vinte e quatros meses. Escritórios especializados em pesquisa sobre o comportamento do consumidor ou bureaux, como são chamados, apontam as primeiras informações a respeito das cores e dos tecidos que serão usados. “As tendências de cores são objeto de estudos dos grandes fabricantes de corantes do mundo, que se organizam em grupos setoriais”.  Após a divulgação dos resultados destas pesquisas, os dados são disponibilizados para a indústria química e a indústria de fiação, com o objetivo de que elaborem cores e fios, direcionando os desenvolvimentos têxteis. As apresentações de novos tecidos e cartela de cores para o segmento do vestuário acontecem em geral seis meses antes do lançamento de suas coleções.

SISTEMA DA MODA: o projeto de uma coleção.

Imagem
O estudo da metodologia de desenvolvimento de projeto em design de moda aponta a evolução de um processo com seu início na indústria têxtil, seguindo pela indústria do vestuário para ao final chegar ao consumidor que em muitos casos é o próprio usuário, de uma peça de roupa. A cadeia envolvendo os processos de desenvolvimento de produtos em tecelagem e confecção, por sua vez, parte de pesquisas realizadas por escritórios especializados em sugerir possibilidades de adoção de futuras tendências, com indicação de cartela de cores e matérias-primas. A proposta é pensar cada uma das etapas de um projeto de design de moda para a indústria do vestuário, começando pela seleção de matérias-primas, não só têxteis como também os aviamentos, pois esse procedimento ajuda a orientar a pesquisa do designer de moda. Cada coleção traz características próprias orientadas por diretrizes previamente estabelecidas, também chamadas de tendências de moda. A tendência é “permeada pela mudança, recupera uma id…

SISTEMA DA MODA: o design de moda.

Imagem
As pesquisas dedicadas ao estudo do projeto é o estágio fundamental do design de moda, especificamente, em produtos do vestuário. A natureza e as características do projeto são identificadas por meio da observação de processos e procedimentos existentes em um conjunto de produtos que integram a coleção de moda. A coleta de dados tem adotado fontes literárias da história, da teoria e da crítica do design e áreas afins; bem como ainda entrevistas semi-estruturadas. É através deste estudo que obtemos resultados que revelam uma rede integrada de profissionais e processos projetuais em conexão com outras do design de moda; na verdade, um campo de complexos sistemas interconectados, desde a articulação conceitual, pesquisa, criação, projeto, desenvolvimento e produção até a distribuição e uso.

MODA BRASILEIRA: o estilo brasileiro.

Imagem
Entramos no século 21 como um mercado propício para a moda e devemos definir o que seria um estilo brasileiro. Ele deve estar menos na utilização de materiais e inspirações da cultura brasileira e mais numa base que abarque as próprias contradições do país: o uso da manufatura associada à tecnologia (como, por exemplo, nos vestidos de Walter Rodrigues feitos com as rendeiras do Piauí, trabalhando com Lycra e renda); o artesanato de apelo global (Lino Villaventura); a sensualidade inerente ao corpo dos brasileiros; e, principalmente, um olhar brasileiro. Num mercado internacional unificado, é esse olhar, fragmentado, pós-moderno, sexy, que pode fazer com que o país dê uma contribuição relevante em escala internacional.
Não estamos mais nos anos 80 ou 90, quando o exotismo era lei. Os estilistas brasileiros não precisam carregar seus passaportes nem levantar a bandeira verde-amarela o tempo todo. O país deve funcionar como herança cultural e DNA, não como folclore ou traje típico. O mais…

MODA BRASILEIRA: o deslumbre internacional.

Imagem
Apoiado pela indústria têxtil, que começara a tentar modernizar-se, um punhado de estilistas percebeu nisso tudo um potencial de exportação, em que se incluía uma possibilidade inédita de entrar no cenário fashion global, já que, por conta de uma nova realidade cambial, os produtos brasileiros se tornavam mais competitivos. Pela primeira vez, seria possível ganhar um pouco de prestígio e talvez, com sorte, alguns dólares.
 O primeiro a ter tentado uma trajetória internacional foi Alexandre Herchcovitch. Em 1997, encheu uma mochila com suas roupas e foi bater à porta das lojas de que gostava em Nova York, como, por exemplo, a descolada Patrícia Fields. Apoiado pela Zoomp, para quem então desenhava, aventurou-se a apresentar um desfile, idêntico ao que mostrara em São Paulo. Primeiro desfilou em Londres, em 1999, fora da semana oficial; acabou sendo aceito e, em 2000, trocou a London Fashion Week por Paris, convidado pela Chambre Syndicale du Prêt-à-Porter. Agradou com um mix de manufatu…

MODA BRASILEIRA: beleza padrão tipo exportação.

Imagem
Foi justamente a beleza da mulher brasileira que fez a passagem da moda para a mídia mainstream, e do Brasil para o mundo. Logo a mulher brasileira, um de nossos maiores trunfos, juntamente com o samba e o futebol, como celebra o clichê do turismo...
 Ao longo dos anos 90, tentamos ao máximo reproduzir (sem muito êxito) o estilo das passarelas européias, que tinha como modelo de apresentação a assepsia dos belgas e o minimalismo do austríaco Helmut Lang e como ideal feminino as magricelas francesas. Os desfiles internacionais glorificavam a mulher-cabide, cheia de ossos, com as pernas finas. Os braços deviam cair junto aos quadris. Que quadris ? A top model do prêt-à-porter nem tinha quadris, quanto mais bunda ! E por aqui ninguém dava valor ao produto nacional: os cachês eram baixos, e havia certo desdém pelas meninas brasileiras.
 Para tentar a mesma sorte de Shirley Mallman, um punhado de modelos passou a mão no passaporte e foi tentar cachês melhores nos EUA e na Europa. Claro que,…

MODA BRASILEIRA: o calendário de lançamentos.

Imagem
Com a economia estabilizada, o passo seguinte seria o Morumbi Fashion Brasil, iniciativa de Paulo Borges. Com incrível talento empreendedor, Borges levantou sólidos patrocínios, tendo como pilar principal o shopping center paulistano que batizou o evento. Foi a mais consistente ação já vista em território nacional para estabelecer um calendário de lançamentos, que deveria normatizar e organizar todos os elos da cadeia têxtil no país. A primeira edição aconteceu em julho de 1996, e o Morumbi Fashion foi desde o início um sucesso de mídia. Os patrocinadores eram a garantia de que o evento não iria dissipar-se de um ano para o outro.
 Então, tudo mudou. Aos poucos, os estilistas participantes foram entendendo que poderiam, sim, pensar numa evolução de seu trabalho, numa continuidade.  Sob um modelo bem paternalista, adequado às dificuldades das marcas, o Morumbi Fashion pagava muitas das pesadas despesas do desfile, como som e luz, modelos, maquiadores, cabeleireiros e trilha sonora.
 Co…

MODA BRASILEIRA: a era dos megadesfiles.

Imagem
Nos anos 90 surgem apresentações grandiosas e mirabolantes: a era dos megadesfiles. Um tinha de ser mais absurdo do que o outro, para conseguir mobilizar mais mídia e mais gente famosa. Artistas e personalidades começaram a desfilar também nas passarelas, junto com os modelos. Tudo era válido: o importante era aparecer.
 Foi ali que surgiu o produtor de desfiles Paulo Borges, que trabalhara no teatro e na revista Vogue, com a editora Regina Guerreiro. Ele dividia com Carlos Pazetto as principais superproduções da época. Acabou se destacando quando, sob o patrocínio da marca de cosméticos da empresária Cristiana Arcangeli, realizou o primeiro Phytoervas Fashion, apresentado as coleções de Walter Rodrigues, da Cia. de Linho e de Alexandre Herchcovitch, em fevereiro de 1994.
 O Phytoervas foi a primeira tentativa de lançamentos fixos. O evento, com edições de inverno e verão, foi crescendo gradativamente. Durou dois anos e serviu também para apresentar ao mercado os desfiles autoriais de…

MODA BRASILEIRA: o estopim do underground.

Imagem
A abrupta entrada do Brasil na globalização trouxe também informação para uma juventude ansiosa por novidades. Começaram a chegar mais revistas, CDs, vídeos. Com mais poder de compra e mais mobilidade, cresceu no país o número de aparelhos de som, e muito mais gente pôde viajar. Começava a mudar o perfil do jovem brasileiro de classe média, que deixou de ser apenas aquele careta que andava em bandos nos shoppings centers para passar a refletir uma cultura jovem que acontecia no resto do mundo, menos preconceituosa em relação a tudo (opção sexual incluída).
 Esse cenário configurou a explosão da cena clubber e também de sua moda. As pistas de dança sempre foram palco para experimentações e manifestações de expressão pessoal, e a música eletrônica se transformavas entrou no mundo das grifes e deu origem a um novo espectro de cliente e de consumo, definindo os contornos de uma geraça S o  na língua franca de um mundo unido pela tecnologia e, depois, pela Internet. Cansados das ditaduras…

MODA BRASILEIRA: a abertura do mercado.

Imagem
Os movimentos de aglutinação da moda brasileira sucumbiram diante de um mercado difícil. Em 1990, a flutuação cambial e a falta de condições para a exportação criaram uma crise no setor. Em abril, a moda também foi gravemente afetada pelo Plano Collor, que instalou o cruzeiro como moeda e interferiu na vida de todos, comprometendo o consumo. “Foi uma parada cardíaca”, definiu a empresária Costanza Pascolato, da tecelagem Santacostancia.
 Ao mesmo tempo, com a abertura do mercado para as importações, o produto brasileiro sofria severa concorrência de peças mais baratas, que seduziram sobretudo um consumidor com pouco dinheiro para gastar em roupas. A partir de 1992, com a entrada dos tecidos importados, despencaram os preços, dando origem à mais longa agonia do setor até então: entre 1992 e 1997, pelo menos 773 empresas da área têxtil fecharam, e mais de 1 milhão de pessoas perderam o emprego.
 As importações mexeram também no mercado do luxo. A empresária Eliana Tranchesi, da loja Das…

AS MAIS ACESSADAS DA SEMANA:

MODA: T JAMA, muito mais do que pijama, é um estilo de vida!

MODA: T Jama arma meeting pré lançamento

TURISMO: Black Friday na Blue Tree Hotels, diárias e pacotes com até 25% de desconto

MODA: PICCADILLY apresenta na Zero Grau coleção Outono-Inverno 19

DECORAÇÃO: Mostra Kids Concept Decor - 9 inspirações para espaços infantis

Moda com seda de aranhas

MODA - O charme da estampa print na coleção de inverno da Parizi Jeans

MODA: It Beach apresenta nova linha de sapatilhas Strass Paris Lolitta para o verão 2015

MODA: Michael Kors inova relógio Best-seller Runway com mostrador laranja e vidro furta cor

MODA: Novidade que vem da Coréia, Detergente em folhas para lavar roupa chega ao Brasil