BELEZA: Setor foca no público masculino para driblar crise

Barbearias e salões de beleza diversificam serviços para conquistar a clientela masculina e alavancar um segmento que deve movimentar somente no estado mais de R$ 1,3 bilhão até o fim do ano. Foto: Divulgação


Cuidados com imagem pessoal, vaidade e preocupação com a aparência são os motores que movem o segmento de beleza e bem-estar, que, até pouco tempo, era praticamente dominado pelas mulheres. No entanto, os homens estão na mira dos empreendedores do setor, que buscam inovar e agregar novos serviços capazes de atrair e fidelizar o público masculino. A estratégia não é à toa, já que os potiguares devem gastar mais de R$ 1,3 bilhão em 2016 com os serviços de beleza e higiene pessoal, segundo estimativas do estudo Geografia Atualizada do Potencial de Consumo Brasileiro, elaborado pelo IPC Maps. A palavra retração passa longe dos empreendimentos que apostaram nesse nicho e conquistam consumidores cada vez mais regulares.
O mercado de beleza para homens já é uma realidade e não tem volta. Isso é o que pensa o consultor especialista em gestão de negócios Renato Carvalho, que presta consultorias e ministra treinamentos para salões de beleza. “Hoje, o homem está mais vaidoso e preocupado com a imagem pessoal. Isso acontece em todas as faixas etárias e a tendência é que cresça a cada ano, pois as crianças e adolescentes estão crescendo já com essa cultura do embelezamento”.
Com essa evolução do mercado, os empreendedores apostam em criatividade e inovação. Foi o que ocorreu com Antônio Muriel Nogueira, que identificou uma oportunidade nesse setor. Ele percebeu que não havia na cidade de Caicó – distante 282 quilômetros de Natal – um estabelecimento que atendesse às demandas de cuidados de beleza dos homens e abriu a Barbearia Placar, a primeira barbearia temática do município. “Pensei em abrir algo diferente do que já havia no mercado, em inovar. Pesquisei e vi que na cidade não havia nada semelhante”, conta.
Em funcionamento há pouco mais de dois meses, a barbearia é toda ambientada para agradar os amantes do futebol e recebe semanalmente uma média de 70 clientes regulares. Essa clientela se cadastra e recebe um cartão fidelidade personalizado que vem com o brasão do time de futebol favorito e dá direito a sorteios.
Para abrir o empreendimento, Muriel Nogueira buscou capacitação e informação. Participou do seminário Empretec e oficinas de empreendedorismo promovidos pelo Sebrae no Rio Grande do Norte. “Isso serviu para abrir a mente. Essa busca por informação antes de abrir o negócio é muito importante. Estou muito otimista com o andamento. Meus planos são abrir filiais em outras cidades, como Natal e Mossoró”, revela o empresário.
Devido à importância desse segmento, que registra um crescimento anual médio de 108,8% no número de novos negócios no estado – já são 4.635 estabelecimentos, entre salões de beleza, manicure, pedicure e barbearias -, o Sebrae desenvolveu o Projeto Setorial de Beleza e Bem-Estar para dar suporte a quem decide abrir uma empresa nessa área ou expandir o negócio.
O projeto atua de forma a fortalecer os pequenos negócios a partir da melhoria da gestão empresarial, por meio de ações de capacitação, consultoria e acesso a mercados, bem como promovendo o acesso à tecnologia e inovação, por meio do programa Sebraetec, nas áreas de sustentabilidade, produtividade, design, qualidade e serviços digitais.
“Surgiu um novo mercado a partir da percepção de que os homens estão mais preocupados com cuidados com a aparência. Em alguns salões de beleza atendidos pelo projeto, já existia espaço reservado para o público masculino, mas, desde 2015, estamos atendendo empreendimentos exclusivamente voltados para homens, onde, além dos serviços de beleza e estética, são oferecidos outros atrativos que proporcionam lazer a esse público”, diz a gestora do projeto, Marília Aranha.


Destaques da Semana:

DECORAÇÃO: Irmãos Fahrer lançam a Empório Fahrer

GASTRONOMIA: Barbosa & Marques indica queijos para preparar sanduíches

BELEZA: Elimine a pele ressecada causada pelo tempo seco